Tratamentos para o excesso de ácido úrico

O ácido úrico não é anormal ao corpo humano, sendo naturalmente produzido pelo organismo. Através da quebra de moléculas da purina (contida em diversos alimentos) por certas enzimas (xantina oxidase) o resultado obtido é este tipo de ácido. Uma quantidade considerável permanece no corpo, caindo na corrente sanguínea, e outra é excretada através do canal renal, bile e intestinos.

Entretanto, quando esses níveis de ácido úrico não são eliminados de forma coerente, ele permanece no corpo humano e causam diversos tipos de prejuízos à saúde.

Podem haver três razões possíveis para o aumento dessa substância no sangue: a produção do ácido pode aumentar consideravelmente, sua excreção pela urina tornou-se baixa para as expectativas ou, às vezes, pela interferência de medicamentos que causam este tipo de anormalidade.

Esta disfunção pode causar doenças cardiovasculares, gota, pedras nos rins, hipertensão, artrite e enfermidades de ordem renal. O diagnóstico deste tipo de doença pode ser feito a partir de exames sanguíneos ou de urina, meios de se medir a quantidade de ácido úrico no corpo.

Sintomas do excesso de ácido úrico no sangue

Em qualquer forma que o ácido úrico vir a se manifestar (gota, pedras nos rins ou demais doenças) o principal sintoma associado é a dor.

Tratamentos para o excesso de ácido úrico

Foto: Reprodução

Quando o caso é de surgimento da gota, as articulações se tornam comprometidas e a dor é intensa nessa área. A consequência pode chegar a ser tão grave que pode destruir esses ligamentos e demais tecidos (embora é importante ressaltar que não deve-se generalizar. Não é em todos os casos que acontecerá este extremo).

Já em caso de afetar rins em geral (com cálculos ou demais enfermidades), as dores em tempos de crise também podem chegar a ser quase insuportáveis.

Tratando-se de problemas cardíacos, estudos já comprovam que o ácido úrico no sangue em excesso tem o poder de calcificar artérias e causar danos ao coração.

Tratamento: Posso usar a natureza ao meu favor?

Sim! Apesar de existirem métodos que agem a partir de drogas, os métodos naturais também podem ser de grande valia no tratamento deste mal.

É importante evitar o consumo de certos alimentos como:  Peixes e frutos do mar, (sardinha, ovas de peixe, camarão, salmão, bacalhau, ostra, truta, mariscos), Aves (peru e ganso), Grãos secos (o feijão, ervilha, lentilhas e grão-de-bico), Carnes (fígado, coração, rim, língua, vitela, bacon, cabrito, carneiro), Gorduras, Alimentos com fermento biológico e Bebidas alcoólicas.

Além de cuidados com a alimentação, estão disponíveis também algumas receitas que se mostram eficazes na diminuição do ácido úrico no sangue:

- Ingira suco do pepino, beterraba e cenoura juntos enquanto ainda em jejum.

- Deixe um copo de água com dois dentes de alho repousar pelo período de seis horas. Coe a mistura e ingira três vezes ao dia.

- Dedique um dia da semana para fazer a substituição do café da manhã por melancia. A água da melancia ajuda a excretar o ácido úrico em excesso.

- Durante quatro semanas realize o seguinte processo:

Na primeira semana, faça uma infusão de três colheres de chapéu-de-couro e malva em um litro de água quente. Beba duas xícaras ao dia.

Na segunda semana, faça infusão de chá de bardana e hortelã juntos. Utilize da medida de 3 colheres de sopa do chá para um litro de água. Ingira três xícaras ao dia.

Na terceira semana,  faça chás de salsaparrilha e dente-de-leão. A proporção utilizada é a mesma da segunda semana.

Na quarta semana, repita o procedimento da primeira semana.

Permaneça nesse esquema durante dois meses.