Publicado por Michelle Nogueira
  • Compartilhe no Google+
  • Compartilhe no Whatsapp

A febre amarela é uma doença infecciosa, comum das áreas tropicais, transmitida por um tipo de vírus conhecido como Flavivírus. Os seus reservatórios naturais provêm de primatas, não-humanos, e o contágio ocorre através da picada de dois tipos de mosquitos: o haemagogus, que transmite a chamada “febre amarela silvestre” e o aedes aegypti, responsável pela “febre amarela urbana” e também pela dengue.

Já há disponível vacina contra esse tipo de doença e, por isso, a ocorrência em áreas urbanas foi erradicada. No entanto, isso não exclui o possível evento de alguém, contaminado com a silvestre, ir para a cidade onde existe o mosquito transmissor, e acabar passando através dele a doença para pessoas não vacinadas, gerando assim um novo surto.

Os principais sintomas são febre alta, calafrios, mal estar geral, dores musculares fortes, vômitos, dor de cabeça, falta de apetite e diarreia. Eles começam a se manifestar com cerca de três a seis dias após a picada do mosquito. Em casos mais graves, os olhos e a pele do infectado ficam amarelos, fenômeno conhecido como icterícia. O diagnóstico é feito através de exames laboratoriais, uma vez que os sintomas são bastante parecidos com o da malária e da dengue. Seu tratamento é feito com o propósito de aliviar os sintomas, uma vez que não existe nenhum específico para a doença em si. Deve-se evitar medicamentos que tenham em sua composição ácido acetil-salicílico, pois suas propriedades anti-agregantes plaquetárias podem aumentar o risco de hemorragias.

Se liberte da febre amarela com chá de jurubeba

Foto: Reprodução/ internet

Chá de Jurubeba

A jurubeba é uma planta medicinal bastante indicada como recurso terapêutico contra a febre amarela. Seus ativos atuam como protetores para o fígado, desobstruem o baço, reduzem a febre, purificam o sangue e ajudam no processo digestivo, diminuindo assim, os sintomas da doença.

O preparo desse chá é bem fácil: Basta colocar 500 ml de água para ferver e, depois de fervida, adicionar uma colher de sopa de folhas de jurubeba. Deixe amornar, coe e beba três xícaras por dia. Vale salientar que esse remédio caseiro serve apenas como complemento do tratamento, que deve ser prescrito pelo seu médico, e que normalmente se dá com antitérmicos e analgésicos.

Como não existe uma intervenção específica, vale a pena apostar na prevenção. Tome a vacina, que deve ser renovada a cada dez anos, sobretudo se for viajar para áreas de risco. Nesse segundo caso, ela deve ser aplicada dez dias antes da viagem, para que o corpo produza anticorpos suficientes. Usar calças e repelentes por todo o corpo, se necessário. Nas áreas urbanas, é importante evitar os focos de proliferação do mosquito, prevenido assim tanto a febre amarela quanto a dengue.

Veja mais!