Erva de santa maria – Benefícios e propriedades do seu chá

De cheiro e sabor muito fortes, a erva de santa maria, conhecida no Brasil também como mastruz ou erva formigueira, é utilizada principalmente como vermífugo, apesar de possuir outras tantas indicações de uso. O cuidado no consumo da planta, que é usada até no tratamento contra a tuberculose, deve ser frequente, uma vez que se ingerido em excesso o chá de santa maria pode provocar náuseas e convulsões.

Erva de santa maria

Erva de santa maria - Benefícios e propriedades

Foto: Reprodução

De nome científico chenopodium ambrosioides, a erva de santa maria é conhecida pelo nosso país por vários nomes, entre eles: mastruz, chá-do-méxico, ambrósia e erva formigueira. A planta da família das herbáceas é nativa do México e lá é utilizada como especiaria em sopas, cozidos, pizzas e pratos típicos. Para evitar o sabor muito intenso eles dão preferência a folhas mais jovens.

No Brasil o uso mais comum da erva de santa maria é em forma de infusão, apesar do consumo do chá ter diminuído na nossa população, devido ao medo dos efeitos colaterais da ingestão da planta que vão desde náuseas e dor de cabeça até convulsões e coma – isso quando ingerido em grandes quantidades.

Benefícios

O consumo do chá da erva de santa maria é indicado nos tratamentos contra hemorroidas, tuberculose, vermes, angina, asma e úlceras no estômago.

Por conter substâncias laxativas, o chá é recomendado também para pessoas que sofrem com prisão de ventre e gases.

Pessoas que praticam atividades físicas regularmente também devem inserir o chá na seu dia-a-dia, pois ele melhora a circulação e evita contusões e câimbras. A erva de santa maria contém propriedades que aceleram o processo de cicatrização e aliviam micoses. Usado de maneira externa, o chá ameniza a dor provocada por picada de insetos e combate parasitas como piolho e pulga.

Cuidado!

O consumo desta planta é muito perigoso e só deve ser feito com acompanhamento médico. Não deve ser consumida por gestantes e crianças menores de dois anos. Os efeitos colaterais do mal uso são: dor de cabeça, aborto, problemas do coração, problemas respiratórios, entre outros.